Mês do Folclore: Música e Dança


Escravos de Jó
jogavam caxangá
Tira, põe
deixa ficar

Quem nunca ouviu ou cantou essa música que atire a primeira pedra. As cantigas de roda são apenas um dos diversos tipos de músicas que pertencem ao folclore brasileiro. Dando continuidade ao nosso Mês do Folclore, hoje vamos falar sobre as músicas e as danças.


Escravos de Jó é uma das músicas mais conhecidas dentro do folclore, como já dito, ela é uma cantiga de roda, um dos tipos de canção popular. Também sendo chamadas de cirandas, elas sempre acompanham alguma brincadeira de roda, onde crianças formam uma roda, de mãos dadas ou não, e passam a cantar uma melodia, podendo até mesmo ter coreografias.

As letras costumam ser fáceis, com rimas e divertidas, além de possuírem um ritmo claro. As cantigas de roda fazem parte da tradição oral, são passadas de geração para geração, fazendo parte da cultura brasileira. Esse aspecto cultural costuma gerar modificações na letra, de região para região, o que acontece com Escravos de Jó.

A versão "tira, põe, deixa ficar" que abre esse texto é mais comum em São Paulo, por exemplo. Na região do Nordeste e Rio de Janeiro, a letra costuma ser "Tira, bota, deixa o Zé Pereira ficar". No Pará talvez seja a versão mais diferente, cantada "Tira, bota, vamos a Belém, que vai que vem...". Outras cantigas de roda conhecidas são Sapo Cururu, O Cravo e a Rosa e a clássica Ciranda-Cirandinha. 



Outro tipo de músicas folclóricas são as cantigas de ninar, também chamadas de acalantos. Como o próprio nome diz, são canções usadas para ninar crianças, enquanto embala para o sono. Boi da cara preta é um dos mais conhecidos, junto do Dorme neném, que é proveniente do folclore nordestino. Essa última, fica a dúvida, se o papai foi para roça e a mamãe foi trabalhar, quem está cantando? A avó? O tio? Um irmão mais velho?

As serestas também são canções folclóricas. Talvez esse nome não seja muito conhecido, mas é um termo que surgiu no Brasil para designar as serenatas. Como você deve imaginar, já que em algum momento deve ter visto alguma cena em algum filme por aí, as serestas são canções sentimentais, mas não apenas isso, são canções sentimentais cantadas à noite pelas ruas, especialmente embaixo da janela da pessoa amada. A Dona da História é um filme brasileiro de 2004 que possui uma cena de serenata, feita por Rodrigo Santoro, que canta a música Guantanamera.



Dentro da música, tem ainda outros tipos, como as modinhas, que também são canções com teor sentimental, os desafios e repentes, que são cantadas no improviso, geralmente com duas pessoas alternando. As modas de viola, que são músicas ditas caipiras, e os cânticos sacros, que são aqueles religiosos, cantados na liturgia cristã.

As danças estão sempre interligadas com músicas, e as músicas são sempre animadas e com letras simples. As danças folclóricas caracterizam-se por apresentar aspectos sacros, mitos, festas históricas, brincadeiras e alguns outros. Elas variam conforme a região e trazem a cultura de determinado lugar nas encenações.

O samba de roda é uma dança típica do estado da Bahia. Sendo uma variante do samba, ela surgiu no século XIX como uma forma de preservar a cultura de escravos africanos, estando ligada à capoeira. Como o nome diz, é feito uma roda onde dançarinos dançam ao som de palmas e músicas, utilizando pandeiro, chocalho e berimbau, principalmente. 

O bumba meu boi é uma das danças folclóricas mais conhecidas no Brasil. Incluso na lista de Patrimônio Cultural do Brasil pelo IPHAN (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional), o bumba meu boi é uma dança do norte e nordeste brasileiro, com maior força no estado do Maranhão. A dança surgiu no século XVIII como uma crítica à situação social de índios e negros. 

A história dela apresenta um fazendeiro muito rico que possui um boi que sabe dançar. Pai Chico, um dos trabalhadores da fazenda, resolve roubar o boi para matá-lo e preparar a língua para sua esposa, que está grávida e com desejo. O fazendeiro envia seus empregados para procurarem o boi e, quando o acham, ele está doente. Pajés curam o boi e descobrem a intenção de Pai Chico. No fim, o fazendeiro o perdoa e todos celebram a saúde do boi com uma festa. Bumba meu boi também é conhecido pelos nomes de boi-bumbá.

O frevo é uma dança típica de Pernambuco. É uma marchinha de carnaval que surgiu no século XIX e hoje é considerada Patrimônio Imaterial da Humanidade pela UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura). Os dançarinos de frevo utilizam um guarda-chuva colorido como elemento de coreografia e, diferentemente de outras marchas de carnaval, a música não possui letra. Em 2014, o documentário Sete Corações foi lançado, homenageando mestres do frevo. 



A quadrilha também é outra dança muito conhecida no Brasil. Presente nas festas juninas, ela é dançada em duplas de casais, com um animador que solta frases esporádicas que conduzem parte da coreografia. As músicas são animadas e os dançarinos utilizam trajes caipiras (vestidos e camisas xadrez, chapéu de palha...). Pula Fogueira e Cai Cai Balão são duas músicas conhecidas que embalam uma quadrilha.

OLHA A COBRA... É mentira!

O baião, além de ser uma dança, também é um ritmo musical. Sempre dançado em pares, ele se assemelha muito ao forró, os corpos geralmente ficam colados. É típico do nordeste brasileiro, tendo influência indígena e caipira. As músicas geralmente são embaladas por viola, triângulo e acordeom, e o maior representante desse estilo é Luiz Gonzaga. Com músicas como Asa Branca e Xote das Meninas, ele se consagrou no meio musical e é ouvido até hoje.

Pernambuco também nos apresenta o maracatu, que traz uma mistura de elementos indígenas, europeus e afro-brasileiros. "Maracatu" é uma palavra africana que quer dizer "dança", "batuque". Aqui, os dançarinos representam condes, duques, reis, rainhas e outros personagens históricos, que são acompanhados por uma banda de instrumentos de percussão, como tambores. A dança é marcada por passos coreografados específicos e trajes coloridos. 

Maracatu

Se fosse para citar todas as danças folclóricas do Brasil aqui, não iríamos terminar nunca. Há ainda a catira, presente em diversos estados brasileiros, o jongo, que possui origem africana e é acompanhada de instrumentos de percussão, o carimbó, o xaxado, o fandango, a dança da fita... e por aí vai.

Não deixe de continuar acompanhando nosso Mês do Folclore, aqui no site e em nosso Instagram. Até a próxima!

Postar um comentário

0 Comentários