Dinheiro, ajuda e diversão: o mundo dos reality shows na década de 2010

Foto: Montagem por Pedro Gabriel


Câmeras te filmando a cada passo, provas que levam ao seu limite e um grande prêmio para rechear o bolso. Tudo isso são pequenas partes de algo que vem crescendo nos últimos anos: os programas de reality shows. Seja na internet como veículo de propagação e interação, ou nas mídias tradicionais, os realities são modelos que vem crescendo cada vez mais.

Em duas décadas, desde sua chegada ao Brasil o formato conquistou um grande público, que engaja tanto quem produz o programa como quem participa. Com isso, temos fenômenos, como os mais recentes Gil e Juliette do "BBB21", Jojo Toddynho da "Fazenda 12" e Ellen Oléria do primeiro "The Voice".

Os reality shows podem parecer tudo uma grande coisa, mas possuem diferenças entre si, trazendo modelos e propostas bastante distintas. Seguindo a divisão proposta pela  jornalista Karina Trevizan em seu livro “Almanaque do Reality Shows no Brasil”, os realities foram classificados em seis gêneros: sobrevivência, talent show, disputa, ajuda profissional, a vida como ela é e confinamento.

Nessa reportagem, foram explorados quatro dos seis gêneros, sendo focado em alguns dos grandes clássicos passados na TV brasileira. Vale ressaltar que focarei nos programas passados no Brasil. Além disso, todos os realities devem ter ao menos uma temporada dentro da década de 2010. Por isso, clássicos como “Casa dos Artistas” e “No Limite” não serão citados. Outro ponto é que não terá como falar de todos os programas lançados por conta do número elevado, sendo focado nos principais. 

Sobrevivência 

São realities voltadas a pessoas tentando “sobreviver” em locais hostis. Alguns exemplos são os programas “Survivor”, sua versão brasileira “No Limite” e na TV fechada todas as variações de “Largados e Pelados”. O gênero não foi muito explorado na década de 2010 no Brasil.

Hipertensão - (2002/2010-2011)
Foto: TV Time


Baseado no programa holandês “Now or Neverland”, o programa fazia com que os competidores batalhassem entre si em provas que o levavam ao seu limite. As dinâmicas das provas consistiam em força, agilidade, habilidade e coragem, com atividades radicais, nojentas e até que abalavam o psicológico dos participantes. Dentre elas, destacam-se a prova em que os competidores ficaram pendurados à 30 metros do chão e tinham que acertar um alvo móvel, deitar em uma caixa com dez mil minhocas nas pernas e cinco mil baratas na cabeça e a de separar o maior número de cobras de um recipiente. 


O programa teve sua primeira temporada na Globo em 2002, apresentado por Zéca Camargo, mas só foi voltar em 2010, liderado pela jornalista Glenda Kozlowski. 


Exathlon Brasil (2017)
Foto: TV Bandeirantes

Baseado no formato turco, o programa chega a TV brasileira pela Band, comandado pelo jornalista e apresentador Luís Ernesto Lacombe. O programa possuía diversas regras e muitos participantes, levando-o a ter 71 episódios.


Em geral, 20 pessoas (10 famosos e 10 anônimos) foram levadas para uma praia na República Dominicana, onde foram divididos em dois grupos que batalhavam entre si. As provas exigiam bastante de seus competidores, que disputavam regalias para sua passagem no programa como camas, banheiros, cozinha e afins. O vencedor levou R$350 mil. 

Perdidos na Tribo (2012)

Foto: Band
Exibido pela TV Bandeirantes, o programa consiste em três famílias indo para tribos ao redor do mundo, onde tiveram que imergir na cultura e costumes. O objetivo era que a família conseguisse ser aceita na tribo perante todos os desafios deste choque cultural, levando-os a ganhar um valor monetário.

Solitários (2010-2011)

Foto: Reprodução/SBT
Foi um reality show com 2 temporadas exibido no SBT. Nele, 9 competidores ficavam isolados em cabines individuais e tinham como companhia a Val, uma voz de IA. O objetivo era resistir o maior tempo possível e testar os limites humanos, sejam físicos e/ou emocionais. Os participantes eram submetidos a vários testes rigorosos, como memorização, contar bolinhas de gude, entre outros.

Disputa

O formato pode ser confundido com o citado anteriormente, uma vez que teremos pessoas competindo por um prêmio. Entretanto, os programas de disputa vão muito além, abarcando temas mais variados, onde um grupo de pessoas passa por provas para chegar em um objetivo. Esse é o caso do “O Aprendiz”, onde os competidores batalham por uma vaga de emprego — está cada vez mais difícil ser desempregado no Brasil —, ou o “ A Casa da Ana Hickmann”, onde ela procurava uma nova repórter para o programa “Tudo é Possível”. 

Ajuda Profissional

Este modelo de reality show ficou muito popularizado principalmente nos anos 2000, onde uma pessoa ou um grupo recebem a ajuda de algum profissional para melhorar algum aspecto da vida. Principalmente no SBT, o formato foi muito utilizado em programas como “Supernanny” e “Esquadrão da Moda”, mas pode ser expandido para outros canais, como o “Pesadelo na Cozinha” e o até quadros como “Lar Doce Lar” e “Vai Dar Namoro”.

Esquadrão da Moda (2009-presente)

Foto: Reprodução/SBT
Baseado no programa “What Not to Wear”, o reality do SBT liderado pelos consultores de moda Isabella Fiorentino e Arlindo Grund visava fazer uma mudança de estilo nos participantes. Os dois apresentadores focavam na parte de moda, enquanto outros profissionais de cabelo e maquiagem auxiliavam na transformação (Rodrigo Cintra, Vanessa Rozan, Andrea Ulsenheime e Virgínia Gregorio).

O participante tinha de levar todo o guarda-roupa para o programa, onde as peças eram avaliadas e jogadas no lixo, sendo liberado um cartão para que fosse feito compras. O programa ficou muito famoso pelas transformações, e pelas desavenças entre os participantes e a equipe, como o caso da Stefhany Absoluta.  

Supernanny (2006-2014)

Foto: Reprodução/SBT
Quem nunca fez uma arte e se arrependeu quando alguém falava que ia chamar a Supernanny? A figura que ficou no imaginário infantil durante muitos anos era encarnada na pedagoga argentina Cris Poli, que após uma grande seletiva, foi a escolhida para apresentar o programa no SBT.

No programa, a cada episódio, a apresentadora ia na casa de famílias que tinham dificuldades para educar seus filhos, dando dicas e choques de realidade para conseguir impor disciplina nas crianças, e muitas vezes, nos próprios pais. Os métodos de rotina e cantinho do castigo foram grandes marcos da produção.

Pesadelo na Cozinha (2017-presente)

Foto: Reprodução/Band
Liderado pelo chef Érick Jacquin, o programa visa ir em diversos restaurantes com problemas (estruturais, empregatícios e comida) e fazer uma transformação, mudando a estética do restaurante, o cardápio, os instrumentos e ensinando como ter um negócio de sucesso. Além do carisma do apresentador, das histórias de superação e dos erros nojentos dos restaurantes, o reality acabou viralizando pelas brigas e falas inusitadas, como o clássico “Você é a vergonha da ‘profisson’”.

A vida como ela é

O formato não é o mais praticado no Brasil, sendo muito bem utilizado em outros países. Em geral, consiste em mostrar a vida de pessoas, sua rotina, seus problemas e afins. Se voltarmos os olhos para o Brasil, os mais marcantes são “Dr. Hollywood” e o “Mulheres Ricas”, onde a vida luxuosa e os grandes procedimentos cirúrgicos são palco para mais de uma hora de episódio.


Em outros países, o gênero estourou no início dos anos 2010, com séries como “Here Comes Honey Boo Boo” e “Keeping Up with the Kardashians”, sendo ainda explorado em programas do Discovery como “90 Dias para Casar” e “Casamento Cigano”. 

Mulheres Ricas (2012-2013)

Foto: Reprodução/Band
Viagens em jatinho, festas estrondosas e muito champagne era o que definia o reality “Mulheres Ricas”. O programa tinha sua exibição pela Band, e retratava a vida de socialites brasileiras em sua rotina. O cast era formado por: Val Marchiori, Narcisa Tamborindeguy, Lydia Sayeg, Cozete Gomes, Brunete Fraccaroli, Mariana Mesquita, Débora Rodrigues, Andréa Nóbrega, Aeileen Varejão Kunkel e Regina Manssur. O programa durou duas temporadas e gerou diversos memes que são muito compartilhados no perfil do Twitter, Acervo Mulheres Ricas (@acervomricas).

Muitos realities da década foram marcantes mas que não foi possível citar nessa matéria. Os realities de namoro (“Vai dar Namoro”, “Rola ou Enrola”, ou até os mais recentes “Casamento às Cegas", o flopado “Game dos Clones” e até o “Papito in Love”) ou os clássicos de ajuda profissional (“Adotada”, "Catfish", “Lar Doce Lar”, “Lata Velha”  e toda a programação do Discovery Home&Health) são exemplos de outras grandes produções. 


Dois gêneros faltaram nesta lista. Os principais queridinhos do brasileiro (talent show e confinamento) estão disponíveis na próxima edição da Revista Jovem Geek: década de 2010. Assine a revista e continue lendo sobre os reality shows!

Postar um comentário

0 Comentários

https://api.clevernt.com/0837e6a6-db3b-11eb-a592-cabfa2a5a2de/