Mês da Música: Indie


Não se pode falar sobre música sem mencionar o Indie, um termo frequente, controverso e que se popularizou largamente durante os anos 2000. Talvez um dos “gêneros” mais ouvidos na contemporaneidade e que se liga diretamente com o mundo urbano. Hoje vamos conhecer um pouco mais sobre ele.

Origem e Ressignificação

Diante um cenário musical marcado por grandes produtoras e do clássico star machine, que era recorrente em todos os meios artísticos, artistas nos Estados Unidos e no Reino Unido durante o final dos anos 70 começaram a se organizar de forma autônoma e sem a infraestrutura de produção de estúdios para poderem lançar seus próprios trabalhos. Era uma tentativa direta de fugir da interferência dessas empresas que monopolizavam o mercado.

Com a abertura de uma subcultura mais desenvolvida gerada pelo movimento punk-rock, o Indie foi um termo cunhado pra se referir ao modo independente que alguém e/ou um grupo fazia para gerar a vinculação de suas músicas. Grandes nomes que iniciaram essa forma alternativa de circulação artística foram Joy Division (1976) e The Smiths (1982). 

Joy Division
The Smiths 
Como originalmente o Indie não seria um estilo musical propriamente dito, ele atuou como uma subcultura para diversos gêneros como: Indie rock, Indie pop, Indie folk, entre outros. Todos com o mesmo propósito de reafirmar sua forma de arte independente.

Entretanto, a partir dos anos 2000, começou a se popularizar uma estética mais específica para aquilo que era denominado de Indie, baseado principalmente em uma espécie de similaridade que havia entre artistas que se identificavam como tal. Melodias mais lentas, desenvolvimento de letras com influência do romantismo com abordagens do cotidiano e experimentação sonora são marcas dessas músicas. Uma grande parte dos artistas que representa esse cenário possui um visual urbano e com referências aos anos 50 e 60.

Algumas influências atuais e consideradas como pertencentes a esse espectro dito como Indie que podemos citar é: Artic Monkeys (2002), Interpol (1997), The Killers (2002), Florence and the Machine (2007), The Neighbourhood (2011), The Strokes (1998), entre outros. Há o destaque para artistas solos como Lana Del Rey, Lorde e Björk. Todos contam com sua identidade própria, tanto em músicas quanto em performances, mesmo que a questão de independência de empresas não seja sempre uma constante.

Artic Monkeys

Florence and the Machine

Capa do Álbum "Melodrama" da Lorde

Indie no Brasil


O Indie no Brasil, em seu significado original, foi sempre muito presente, mas a estética gerada pelos movimentos britânicos e americanos chegaram ao Brasil durante a década de 80, principalmente nos grandes centros urbanos e com uma grande tendência para o Indie-rock.

No começo não havia uma coerência exata e existia também uma tendência de fazer músicas em inglês, o que induziu na construção de pequenos nichos. Com o passar do tempo, os brasileiros foram criando suas próprias raízes e abandonando esse estilo americanizado para falar de sua própria realidade e fazer suas próprias experimentações, misturando elementos essencialmente nacionais.

 A internet também facilitou a conquista de novos públicos, saindo de algo específico e se tornando popular. Alguns nomes do Indie nacional podem ser bandas como Autorama (1998) e a A Banda Mais Bonita da Cidade (2009), ou solos como Rubel, Tiago Iorc, Anavitória, entre outros.

Autoramas

A Banda Mais Bonita da Cidade
Contudo, é importante lembrar que embora o termo de Indie seja usado de forma diferente nos dias atuais, ainda é muito comum que jovens brasileiros e no mundo todo comecem suas carreiras produzindo de forma experimental e com as estruturas de uma casa ao invés de um estúdio. Seja qual for o gênero que esse artista trabalha, se ele não estiver vinculado a uma grande empresa ele é Indie. O cenário que conhecemos hoje desse estilo só foi possível pelo apoio dessas pessoas, por isso que é sempre bom estar divulgando e incentivando o trabalho daquele artista local ou amigo que está produzindo. Fiquem atentos!

Postar um comentário

0 Comentários