Crítica: 3% - 3º Temporada - Revista Jovem Geek

GeekNews

Revista Jovem Geek

O lado NERD da força.

sexta-feira, 14 de junho de 2019

Crítica: 3% - 3º Temporada



No dia 7 de junho estreou na Netflix a terceira temporada da série brasileira: 3%. A série é a primeira produção nacional da plataforma de streaming, que teve sua primeira temporada lançada em 2016. Ela começou como um curta independente em 2011 - que é possível assistir no youtube.

A série se passa em um Brasil distópico em que maior parte da população vive no Continente em condições péssimas. Porém, existe uma esperança: um lugar melhor para onde vai aqueles que merecem.  (Sem piadas da Barbie fascista!) Ou como diz a série: Você é o criador do seu próprio mérito.

Todos os jovens de 20 anos têm uma chance de conseguir ir para o Maralto - que é esse lugar prometido (e que creio ser Fernando de Noronha) através do Processo. Apenas 3% dos candidatos conseguem passar e dai que vem o nome da série.

Hoje vamos fazer a crítica da nova temporada. Então, terão alguns spoilers. Leiam por sua conta de risco! Tô avisando para não reclamarem comigo depois.


A primeira temporada mostra o Processo com os nossos protagonistas: Joana, Michele, Rafael e Fernando. E claro, alguns passam e outros não. E a gente conhece sobre o grupo que luta contra o Maralto: a Causa.

Já a segunda se mantém mostrando os personagens que ficaram no Continente e os que foram no Maralto. É uma temporada repleta de reviravoltas. Descobrimos que metade, para não dizer todas das coisas não são o que parecem ser. Nunca vi temporada de série com tanto plot twist na vida. E na terceira temporada? O que acontece?

Michele fez um acordo com Maralto e com a ajuda de Fernando - que morre depois - e mais agumas pessoas ela construiu o que chamou de A Concha, que tem o nome inspirada no colar que ela encontrou na segunda temporada - depois de descobrir a real história do casal fundador.

A temporada começa com a Joana indo pra Concha, pois ela descobre o gerador de energia de lá é capaz de acabar com a tecnologia do Maralto através de um pulso eletromagnético. Ela chega lá e vê uma sociedade pacífica e que funciona perfeitamente. Eles geram água através de um coletor que segura a umidade do ar e oferece água para a plantação e consumo. Todos que chegam a Concha são recebidos e usufruem do que trabalham pelo lugar.

Então, sem aviso, vem uma tempestade de areia e todos se refugiam para se proteger, porém o coletor não é recolhido e acaba se perdendo. Michele propõe que todos ajudem a reconstruir enquanto ela tenta construir outro coletor. Contudo, o plano não dá certo, pois é tecnologia do Maralto e não encontra nada semelhante. E a situação que já estava ruim piora por causa do estoque de comida que é roubado. Então Michele, sem condição de manter todos, abre uma seleção para escolher quem vai ajudar a reconstruir a Concha.

E nesse ínterim temos uma lembrança de um processo que não foi tão focado na segunda temporada.


O visual da série melhorou bastante, antes eram umas roupas velhas e rasgadas. Agora com a deserto, tudo ganhou esse tom de steampunk até. Especialmente a parte do final, quando o pessoal injustiçado da Seleção se junta para invadir a Concha.

Além disso, vemos novamente personagens tão queridos e complexos. Entre eles a Glória, Elisa e Marco. Também torcemos pela Joana, passamos raiva com o Rafael. Conhecemos personagens novos, como o Xavier e o Maurício, filho de Marco. Além disso, a vilã Marcela continua maravilhosa e perversa como sempre. Melhor vilã!

O único defeito é que a temporada demora a "pegar no tranco", são cerca de cinco episódios com foco maior na Seleção. Sendo que temporada tem oito episódios. Depois é que se mostra mais das outras partes. Foi uma temporada muito boa, mas se for comparar com a segunda é covardia.

Só que nem tudo é o que parece. Será que foi mesmo a força da tempestade que arrancou o coletor? Será que a Seleção da Michele vai ser justa? Será que a Concha vai se reerguer? Só assistindo para saber!

Quem nunca assistiu dê uma chance a 3%. Para com essa coisa de "É nacional, é ruim!", para com Síndrome de Vira-lata. A série tem sim seus defeitos que a gente releva, até porque tem série de outros países que fazem a mesma coisa e perdoamos.

Vem curtir uma série maravilhosa em PT-BR e com a todos os palavrões a que se ter direito. Com uma história muito bem feita e com um elenco de destaque.

Nenhum comentário:

Postar um comentário