Geek Resenha: O Silêncio do Pântano

Arte: Revista Jovem Geek


Ultimamente a Netflix tem investido cada vez mais em atores e atrizes que conquistam o público, ao exemplo de Noah Centineo. Devido ao sucesso da série La Casa de Papel (Money Heist), muitos atores do elenco apareceram em outras obras do catálogo; essa é a vez de Pedro Alonso, que interpretou o Berlim, um dos personagens mais icônicos da série.

"O Silêncio do Pântano"é um thriller psicológico. Ele é feito e planejado para que o telespectador se perca dentro da história. O longa traz a história de um escritor que, ao fazer uma pesquisa para o seu livro, se envolve demais. Tudo no filme é promissor: o talento do Pedro Alonso, a premissa e a manipulação de quem está assistindo. Infelizmente, o filme mais promete do que entrega.

Muitos filmes já foram feitos com a premissa do leitor que vai longe demais pela sua obra artística. O filme espanhol "O Autor" de 2018 traz o mesmo sentido que o diretor Marc Vigil quis trazer: um autor que mexe na realidade para ter conteúdo para a sua obra. A ideia, apesar de velha, continua sendo usada pela indústria, pois, se bem desenvolvida, rende um excelente filme.

Imagem: CinePop
Com uma hora e meia de duração o filme promete várias coisas, mas só cumpre uma: confundir, de um jeito enigmático, quem está assistindo. Isso é o suficiente para prender atenção até o desfecho da história. É uma boa estratégia. Porém, ela falha ao deixar a complexidade do personagem principal - o autor - na mão do talento do Pedro Alonso. 

Além disso, o filme não entrega uma sequência de atos impactantes. Os personagens de apoio são razoáveis até a hora que são rapidamente descartados, apesar de se encaixarem muito bem e ganharem grande parte do tempo do filme. O "protagonista-autor" pretende fazer uma crítica social sobre o lugar, a cidade (Valencia), onde vive, mas fica preso em algumas frases, silêncios e seu estilo de serial killer

Afinal, faltou ao filme mais ação e complexidade. É um thriller sem alma, sem muito drama. Parece limpo demais diante da tela e o protagonista passaria despercebido se não fosse o Pedro Alonso. A única dúvida que irá ficar na sua cabeça é sobre o final. O longa se distancia da qualidade e estilo que outros filmes do gênero possuem, como Garota Exemplar, Psicose e tantos outros. 

"O Silêncio do Pântano" não desperta nada, nem pavor, confusão ou apreensão; somente curiosidade. 

Se gostou dessa resenha e quer mais, se inscreva aqui em nossa revista!

Postar um comentário

0 Comentários