Crítica: A terceira temporada de Elite vale a pena? - Revista Jovem Geek

GeekNews

Revista Jovem Geek

O lado NERD da força.

sábado, 14 de março de 2020

Crítica: A terceira temporada de Elite vale a pena?



A terceira temporada de Elite acaba de ser lançada e eu que nem sou fã (#sqn) já assisti tudo. Como a segunda temporada, maratonei tudo de uma vez, então vamos as minhas impressões!

A tão esperada terceira temporada de Elite veio antes do esperado, a maior parte dos fãs esperava assisti-la apenas no segundo semestre, desse modo vê-la em março já deixou todo mundo ainda mais ansioso. Teorias foram pensadas, fanfics escritas e muito muito era esperado.

Ao contrário da segunda, o material entregue dessa vez é mais sóbrio e sério. Elite perde um pouco o tom festivo da temporada anterior e traz menos cenas calientes. O que no fim acaba fazendo falta no desenvolvimento do enredo.

O seriado acertou em muitas coisas, soube utilizar muito bem a técnica dos flashbacks para manter o mistério e o público interessado na trama. Novamente escolheu abordar um crime e desvendá-lo conforme os episódios vão passando, e fez isso sem que a história ficasse repetitiva ou maçante.

Porém, apesar de ter acertado na receita, Elite deixou a desejar no seu enredo, muito foi abordado, mas pouco aprofundado. Dando a sensação que os personagens não aparecem o suficiente na trama, que existem histórias demais para pouco tempo.

Falta desenvolvimento para a maior parte dos personagens, cada um deles está passando por um momento complicado e ao tentar abordar todos, o resultado é superficial e insuficiente. A mesma lógica vale para os personagens novos, não há como nos conectarmos a eles. O que poderia ter sido solucionado com mais episódios ou com escolhas criativas diferentes, como a não inclusão de Malick e Yeray na trama.


Outro ponto problemático do enredo é que muitas das pontas soltas da temporada anterior foram pouco exploradas. A série buscou fugir do óbvio e acabou pecando exatamente por isso.  A maior parte dos episódios tem um ritmo mais lento que o ideal e enrolam mais do que o necessário. Muita coisa que poderia ter sido abordada ficou de fora, e no fim, personagens que tinham muito a serem explorados acabaram esquecidos no rolê.

Por outro lado, vemos o amadurecimento de alguns personagens, destaco a amizade entre Lu e Nádia que sem dúvida é um dos maiores acertos da temporada. A escolha do assassino também é bem lógica e funcional. Elite soube contar uma história a partir do que não exibiu e criar em um personagem a lacuna necessária para construir essa persona, a ponto de quando a revelação é feita você se sentir surpreso, mas não surpreendido. No fim, a escolha faz sentido do modo que a história se apresenta.

Além disso, tecnicamente falando a série segue exemplar, a trilha sonora encaixa perfeitamente com as cenas e os ângulos, fotografia e arte funcionam muito bem. Ressalto as cenas na boate, as festas e uma abertura de episódio onde todos aparecem de cabeça para baixo.  

Apesar do ritmo mediano da temporada, o episódio final recupera sem dificuldade o interesse do público, finalizando em parte o plot do Polo, mas deixando aquele gosto de quero mais e aquela vontade de processar a Netflix, caso ela demore demais na entrega da próxima temporada.

A boa notícia é que o boato da série recomeçar a partir da quarta e quinta temporada não procede, Elite termina com um monte de perguntas e pontas soltas a serem resolvidas no futuro. Ou seja, ainda veremos por algum tempo esses personagens.

E vocês já assistiram? O que acharam?

Nenhum comentário:

Postar um comentário