Especial Nostalgia: Chespirito



Roberto Gómez Bolaños, popularmente conhecido pelo apelido carinhoso “Chespirito”, nasceu na Cidade do México em 21 de fevereiro de 1929. Ele foi cantor, ator, compositor, desenhista, dramaturgo, humorista, escritor, engenheiro, publicitário, diretor e roteirista mexicano.


Bolaños levava em seu sangue a arte da pintura, herança de seu pai e também o interesse pelo boxe. Todavia, nenhuma dessas atividades foi suficiente para seu sustento, apesar de destacar-se no esporte, sua baixa estatura o levou a abandonar a categoria. O senso de humor foi a âncora para Bolaños se reinventar e o transformou em um ícone da comédia mexicana, exportada para o mundo todo.
Criou inúmeros personagens, dentre esses, dois ganharam destaque: Chaves e Chapolin Colorado, ultrapassando fronteiras e divertindo várias gerações em meia centena de países.


Aos 22 anos, começou a escrever roteiros próprios para rádio, programas televisivos e filmes. Durante essa etapa criativa, o cineasta Agustín Porfirio Delgado começou a chamá-lo de “Pequeno Shakespeare”, por sua incrível capacidade de escrever e por sua baixa estatura, foneticamente “Chekspirito”, que deu lugar a “Chespirito” e assim, ficou até o fim de sua vida.
Durante um programa chamado “Simplesmente Chespirito”, onde tinha total autonomia, que seus dois personagens mais queridos fizeram sua estreia: Chaves e Chapolin Colorado.
Ambos ficaram tão populares entre as crianças e adultos que cada um passou a ter sua série semanal de meia hora.

Chaves era sobre um menino órfão, de 8 anos, que sempre se envolvia em alguma atrapalhada, junto ao seu grupo de amigos: Quico, Chiquinha, Seu Madruga, Dona Florinda, Professor Girafales, Dona Clotilde, Seu Barriga, etc. Era o garoto tolo, que dizia a verdade e sempre sonhava com comida.
O nome original "El Chavo del Ocho" (O Moleque do Oito) é referência à casa número oito, onde ele morava. Ele não morava no barril, apesar de sempre entrar dentro dele.


Já o Chapolin Colorado, ou seja, o gafanhoto vermelho, representava um super-herói atrapalhado, que enganava os malfeitores com muita sorte e, ao mesmo tempo, com honestidade. Sua arma preferida era uma versão histriônica do martelo de Thor, chamada de “marreta biônica” e, além disso, tomava pastilhas “de nanicolina” que eram responsáveis por reduzir o seu tamanho, justificando sua estatura. O programa sempre tinha início com as palavras: “Mais ágil que uma tartaruga, mais forte que um rato, mais inteligente que um asno. Ele é oooo.... Chapolin Colorado!”


A popularidade dos programas era tão grande que chegava a atingir 60% da audiência e, pouco tempo depois de sua primeira edição, já era transmitido em toda a América hispânica.
No Brasil a primeira aparição de Chaves foi nos anos 80. O programa era exibido todos os dias, durante a tarde no SBT. Tornou-se a série favorita de muitas crianças e manteve-se assim durante toda a sua exibição pela emissora.

Bolaños também criou vários outros personagens, como: Chómpiras, o Doutor Chapatín, Vicente Chambón e Chaparrón Bonaparte. Sua obsessão pelos nomes que começavam com Ch também tinha uma explicação, que revelou em uma entrevista: “Porque o ch é usado em muitas palavras que significam grosserias no México”, como Chespirito alegrava o público com seu humor inocente e nada malicioso, podemos compreendê-lo.

Chespirito participou de mais de 20 filmes e centenas de peças teatrais, tinha uma admiração enorme pelo futebol e fez turnê com seus personagens em estádios, os ingressos sempre se esgotavam rapidamente. Após vários anos de relacionamento, casou-se com a atriz Florinda Meza, que interpretava a Dona Florinda em Chaves.

Roberto Gómez Bolaños faleceu aos 85 anos, em Cancún, onde morava nos últimos anos de sua vida, devido à uma parada cardíaca. Ele sofria de diabetes e problemas respiratórios. Soube-se depois que também havia recebido um diagnóstico do Mal de Parkinson. Entretanto, até seus últimos dias de vida, esteve em contato com seus seguidores pela internet.

Recentemente o SBT e o Multishow deixaram de exibir o seriado Chaves por problemas com os direitos, entretanto, o legado de Chespirito permanece e suas obras ficarão para sempre em nossos corações.

E então, amigos, qual é a palavra cabalística?


Postar um comentário

4 Comentários

  1. Um épico da minha infância 🥺
    Amei cada detalhe contado sobre este grande ator/comediante 🤍 parabéns !

    ResponderExcluir
  2. Parabéns, Dai! Mais um excelente artigo! 👏👏👏

    ResponderExcluir
  3. Texto que prende a atenção, com ctz estará entre os mais lidos novamente... Parabéns, amor.

    ResponderExcluir
  4. Adorei, maninha. Você escreve muito bem. Fez uma ótima matéria, principalmente, do Chesperito que alegrou muitas pessoas.

    ResponderExcluir
Emoji
(y)
:)
:(
hihi
:-)
:D
=D
:-d
;(
;-(
@-)
:P
:o
:>)
(o)
:p
(p)
:-s
(m)
8-)
:-t
:-b
b-(
:-#
=p~
x-)
(k)