Lista: Animes com personagens LGBTQIA+ - Revista Jovem Geek

GeekNews

Revista Jovem Geek

O lado NERD da força.

quinta-feira, 25 de junho de 2020

Lista: Animes com personagens LGBTQIA+



Mais uma postagem do especial do Mês do Orgulho LGBT, que acontece agora neste mês de junho.
E a Comunidade LGBTQIA+ também está representada dentro dos animes. Hoje vou citar alguns animes que também contém personagens dos mais diversos tipos.

E não vou falar aqui dos clichês e do quais todo mundo já sabe, como os personagens de Sailor Moon - Haruka e Michiru, até as Starlights; Sakura Card Captors - Touya e Yukito, até a Tomoyo.
Algumas dessas representações acabam sendo bem implícitas, por conta da sociedade ser muito conservadora em alguns momentos ou acontece de forma depreciativa como com a personagem Miyuki em Yuyu Hakusho.

Existem animes que são voltados especialmente para a temática, como o Yuri - com foco nos romances entre mulheres - e o Yaoi - com foco nos romances entre homens. E eles são a primeira coisa que pensamos quando falamos de personagens LGBT, mas não são apenas neles que esses personagens existem. Eles não ficam isolados apenas no espectro que envolve histórias sobre os próprios, estão presentes em muitas outros. Trago então aqui uma pequena lista desses personagens que vão bem além do Yaoi e Yuri. (Mas, também tem Yaoi e Yuri na Lista.)

O primeiro da lista é Revolutionary Girl Utena, que é um anime que envolve com representações bem orgânicas (e que é Yuri). A obra foi diretamente publicada em anime em 1997, só depois recebeu uma versão em mangá. A história é sobre Utena, personagem bissexual, que sonha em se tornar um espécie de príncipe encantado e quer se vestir com uniforme masculino na escola. Nem todos a sua volta, especialmente a escola, querem aceitar este seu jeito e a coisa muda quando ela tem que defender a melhor amiga - Anthy - em um duelo contra os garotos do colégio. No final de tudo, Utena e Anthy se tornam namoradas.


Também, dentro âmbito dos yaois, temos Ai no Kusabi, que se trata de uma série de novels escritas por Rieko Yoshihara, que começaram a ser publicadas na revista yaoi Shousetsu June entre 1986 e 1987. Recebeu dois animes, um com dois OVAS em 1992 e 1994, e um remake em 2012, que foi cancelado com quatro episódios.

A história se passa no mundo de Amoi, que é comandado por um super computador chamado Júpiter. O mundo é dividido em castas através da cor de cabelo, sendo o loiro mais alto e o castanho mais baixo. Apresenta um foco maior em Iason Mink - um Blondy da elite de Tanagura - e Riki - que vive nas favelas. Eles se conhecem de forma abrupta e Riki acaba virando "mascote" de Iason e os dois acabam se apaixonando, de uma forma não tão comum.

A maior parte do elenco, para não dizer todo, é gay. Creio que a única exceção seja o Riki, que é bissexual, justamente por causa dele ter ficado com uma mulher uma vez. E essa "ficada" deu B.O. pro Iason, acontece bem no começo das novels.

É um dos clássicos yaoi e por ser dos anos 80, tem o final trágico, mas vale muito a pena!


Contudo, como disse antes, não só em animes de Yaoi e Yuri que temos personagens LGBT. Temos em Shoujos, Shounens e em diversos outros gêneros. Talvez não como protagonistas, mas tem o seu papel de importância.

Paradise Kiss é uma obra de Ai Yazawa, que mistura seu amor por moda e mangás. Na história, Hayasaka Yukari, de 17 anos, está perto de prestar vestibular. Sendo sempre dedicada aos estudos, tenta ser a primeira da classe.

Um dia, enquanto está indo pro cursinho - que seus pais a obrigaram a fazer - um "punk" a aborda afirmando ser o "dia de sorte" da garota. Assustada, Yukari foge e acaba esbarrando em uma mulher com roupas estranhas, a chama de "Shinigami" e logo depois desmaia. Ao acordar, descobre estar em um ateliê de um grupo de formandos da Yakawa Gakuen, uma escola diferente, onde os alunos cursam as disciplinas comuns além de alguma relacionada a moda. O grupo procurava uma nova modelo para desfilar com eles no concurso do último ano letivo na faculdade de moda. E a história desenrola daí!

Nessa obra temos dois personagens LGBT. George Koizumi, que é bissexual. Ele é estilista e chefe do ateliê. Parece frio e egocêntrico, mas no fundo é romântico e sensível.
E Isabella Yamamoto, que é uma espécie de mãe do grupo. Esguia e que exala feminilidade. Foi a primeira inspiração de George para os vestidos. Trata-se de uma mulher transgênero e que odeia quando alguém se refere a ela pelo nome de batismo: Daisuke.


Kaichou wa Maid-Sama, que é um anime que conta a história de Misaki Ayuzawa - uma clássica personagem Tsundere, que é presidente do grêmio estudantil de seu colégio e também trabalha em um Maid Café, em segredo. Mas tudo cai por terra, quando Usui Takumi descobre seu segredo e passa a frequentar o Maid Café e aí eles se apaixonam.

Este anime tem um personagem crossdresser, que é o Aoi Hyōdō, sobrinho do dono do café que Misaki trabalha. Ele tem a aparência bem andrógina e na maior parte das vezes acaba usando roupas estilo lolita, porque é dessa forma que ele gosta.



Em Inuyasha também temos um personagem LGBT, que é o Jakotsu, do arco dos Shichinintai, que são sobre os sete guerreiros mercenários que foram ressuscitados por Naraku enquanto ele se mantinha escondido, se recuperando de uma luta contra o núcleo principal.

Ele claramente demonstra interesse em Inuyasha durante o período que aparece no anime, mesmo que fosse apenas para poder lutar com ele, isso caracteriza o personagem como gay.



Em One Punch Man temos o Puri-Puri Prisioner, que faz parte dos heróis de Classe S - sendo ele o 17º no ranking - do anime.

Além de extravagante, é abertamente gay e demonstra interesse nos heróis e até vilões que tem um boa aparência. E muitas vezes, acaba até os defendendo em algumas lutas.



Sei que faltaram muitos nesta lista, mas não dá para citar todos numa postagem só!
Quis trazer alguns que não costumam ser citados em listas desse tipo.

E vocês, já conheciam esses animes e personagens aqui citados? O que acham sobre personagens LGBTQIA+ em animes?

Comentem aí!

Nenhum comentário:

Postar um comentário