Joaquin Phoenix, o nosso coringa, é o melhor ator do Oscar 2020 e não poderia ser diferente.





 O protagonista de “Coringa” levou a premiação mais do que merecida.
Phoenix, além de ator, é cantor, produtor e ativista, o que talvez justifique seu talento natural e paixão nas performances expressas nas telas. Já são corriqueiras, em sua carreira, as premiações por suas interpretações fantásticas!
E, como já esperávamos, “Coringa” foi a chave para mais uma premiação. A trama é um suspense que trata da construção do mais famoso inimigo do Batman, abordando não só alguns do seus feitos como vilão, mas também sua história de vida pessoal e o cenário em que tudo se desenvolve. Arthur Fleck (Joaquin Phoenix) é um comediante de stand-up fracassado, portador de múltiplos distúrbios mentais e morador da injusta Gothan City. Observamos o ambiente de desigualdade social que Gothan impõe aos seus cidadãos, o que se reflete em miséria, violência e até no corte de assistência social, o que obrigou nosso protagonista a cessar seu tratamento psicológico. A atuação de Phoenix é tão emblemática, pois causa grande identificação com o público ao mostrar o que muitos sentem numa situação de pressão financeira e pobreza, além de um quadro clínico grave que mostra alguém muito próximo a um surto mental. Uma frase transcrita do filme resume bem o seu personagem: "A pior parte de ter uma doença mental é que as pessoas esperam que você se comporte como se não a tivesse". Baseado nisso que Phoenix interpretou seu personagem, mais um dentre milhões de injustiçados que, cansado de fingir estar conformado com sua condição, livra-se das imposições sociais e se entrega à loucura, à justiça sob seu ver, tornando-se nosso querido Coringa.

Postar um comentário

0 Comentários